"Nenhum ser humano é capaz de esconder um segredo. Se a boca se cala, falam as pontas dos dedos..."(Freud)

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

A mulher de vermelho

Era uma quarta-feira lá pelas, digamos, duas horas da tarde. O ônibus estava praticamente vazio: havia o motorista, a cobradora, e uns três passageiros. E havia ela, a mulher de vermelho.
(...)
Durante praticamente todo o tempo em que esteve no ônibus olhava pela janela, enquanto as lágrimas dela escorriam sem o menor esforço, frutos daquela nascente tão triste, daqueles olhos com expressão desistente, oriunda de sabe-se lá que decepção. As mãos dela eventualmente participavam da cena, ora criando um semblante de dúvida, enquanto tapavam-lhe os lábios e apoiavam o queixo com expressão pensativa, ora limpando as contínuas lágrimas, como que para dar espaço às que viriam. O mais incomum era que não havia nela a menor tentativa de ocultar seu choro, de guardá-lo para chorar sozinha. Mas afinal, ninguém se esconde para sorrir quando está feliz, para que engolir a tristeza, ao invés de extravasá-la para se curar de uma vez?
É estranho ver alguém chorar assim, com total liberdade. Em um tempo e um lugar onde todos de preocupam com as aparências acima dos sentimentos, com o que os “outros” irão pensar ao invés de serem livres para sentir, pensar e agir, a mulher de vermelho chorou no ônibus.

Pedacinho do texto, escrevi, depois achei muito grande. Texto completo aqui, ó: A Mulher de Vermelho (full)

4 comentários:

Gina Emanuela disse...

... e neste memso ônibus havia uma linda moça que teve sensibilidade suficente pra perceber com tanta graça a situação...e nem importa a cor que ela estava vestindo, porque a alma dela é rosa.

Beijo bruninha...

ps. Pq q ás vezes eu sinto que vc era a mulher de vermelho?...Tá tudo bem?

Troll disse...

Nossa, adorei todo o tom tão sensível e belo, que deste à cena. Realmente, somos ensinados que nos abrirmos abertamente com o que sentimos pode ser traiçoeiro, quando deveria ser natural.

Sorrir para o mundo é fácil, por vezes é mera defesa. Chorar, nele, é tão mais complicado.

Anônimo disse...

Muy bueno, en la realidad... muy bueno. Me hice acordar una situacción muy particular.

Damian

Gabriela Bortoluzzi, encantada! disse...

Bru...

Lindo texto, adoro a maneira como tu descreve as coisas, nos faz sentir o que tu sentia ao escrever...

Saudades

Beijoooo